segunda-feira, 18 de junho de 2012

Oi lindos

Oi amigos ,é fiquei muito dias sem postar nada aqui ! Porem hoje vendo alguns seminários ,resolvi postar algo no blog.
Dentre estes o que mais me chamou a atenção foi o do final dos tempos,este seminário que eu li,achei muito interessante  de mais,e por isso postei no blog este assunto para que cada um de vocês venham a se vigiar e assumir uma postura reta diante de DEUS ,pois ele é bondoso ,amoroso,misericordioso mais porem é cumpridor da justiça então fica a cada um o livre arbítrio pra continuar da maneira em que esta ou fazer tudo diferente .

Bem amados que DEUS  abençoe  cada um de vocês .

Seminário Final dos Tempos





1ºPainel : A Volta do Senhor, PorQuê e Quando?
Na Bíblia, existem profecias relativas aos tempos futuros, cujo estudo chama-se "escatologia":
  1. O Senhor Jesus voltará (At 1.11, Hb 9.28)

  1. Os mortos ressuscitarão (Dn 12.2, Ap 20.6), e a igreja será arrebatada (1 Ts 4.16-17)

  1. O juízo de Deus cairá sobre os ímpios (Ap 20.11-15)

  1. O Paraíso será restaurado, para sempre (Ap 22.1-5)
Porque conhecer e estudar estes eventos? Como veremos adiante, nossa esperança de salvação não inclui apenas "escapar do inferno", mas sim, a bonança eterna, o convívio perpétuo com Deus e o livramento de toda e qualquer doença, morte ou tentação. Estas promessas nos animam e nos fortalecem em nossa fé diária.PORQUÊ O SENHOR JESUS VOLTARÁ?Quando a Bíblia menciona a volta de Jesus, refere-se á Sua "segunda vinda", desta vez em glória, como Rei, Julgador, bem diferente da sua primeira vinda, onde veio como menino em uma manjedoura. Evidentemente, sua segunda vinda é tão importante como a primeira. Muitos afirmam que "não podemos saber" o que irá acontecer, mas a Bíblia relata os eventos que se sucederão! Para que "esconder" as passagens bíblicas, afirmando que as desconhecemos? Só no Novo Testamento há cerca de 300 citações da volta de Jesus! Muitas passagens citam o "Reino dos Céus", ou "Reino de Deus", que são expressões bíblicas para os propósitos maiores de Deus, tanto relativamente ao presente, como ao futuro. O Senhor Jesus voltará, porquê:
  1. A plenitude do Reino de Deus deve ser estabelecida, também sobre a terra, como já ocorre no céu: Dn 2.44-45, Ef 1.10, Ap 20.6

  1. Há necessidade de justiça e julgamento sobre os atos humanos, inclusive sobre os governos: Is 1.27, Rm 2.5-8, 2 Co 5.10, 2 Ts 2.13, 2 Pe 2.9, Ap 18.1-24

  1. Há promessas bíblicas, relativas a Israel, que ainda estão por cumprir: Is 4.2-6, 30.19-26, Is 35 (todo o capítulo), Rm 11, etc.

  1. O "tempo da graça" (hoje) tem um fim estabelecido: Deus não permitirá que o homem, indefinidamente, continue abusando de Sua misericórdia e benevolência: Is 1.28, Ap 19.15

  1. O propósito de Deus é manifestar sua soberania, de forma indiscutível, para que "todo joelho se dobre": Fp 2.10-11

  1. Os cristãos tem promessas que a atual ordem mundial (governos, sistemas humanos, etc.) jamais poderão igualar, e que somente com a volta pessoal de Cristo serão satisfeitas: Dn 12.3, Is 2.2-4, 2 Pe 3.13

  1. As profecias, tanto do Antigo como do Novo Testamento, mostram um "corte histórico" das atuações satânicas, da impiedade, da injustiça, da perseguição ao povo de Deus, etc.: Is 11.4-5, 2 Ts 2.8, 2 Pe 3.7, Ap 19.11-21, 20.10

  1. Com a devassidão, muitos cristãos poderão perecer, se não houver uma interferência direta do Senhor: Mt 24.22, Mc 13.20
Muitos "porquês" do tempo presente serão esclarecidos! Se já estamos "satisfeitos" com a presente ordem mundial, ficaremos "acomodados" com o padrão humano e "mornos" espiritualmente. O Senhor não quer isto! Por isso, de longa data, Ele vem chamando nossa atenção para Sua intervenção direta nos acontecimentos históricos, e nos convida a preparamo-nos para este dia!
QUANDO O SENHOR VIRÁ?Qualquer data é definitivamente proibida pela Bíblia (Mc 13.32, At 1.7). Não sabemos quando o Senhor virá, mas sabemos que Ele virá! Parece lógico supor que, se soubéssemos a data exata, iríamos nos "preparar melhor". Será? O Senhor conhece nossos corações, cuja dureza e incredulidade são manifestas, porém o Seu perdão e misericórdia, nos tornou lúcidos novamente, para as coisas espirituais. Não é uma "data" que nos tornará melhores! Para não nos deixar excessivamente angustiados, a Bíblia nos indica vários "sinais" de que a data está próxima, sendo alguns deles:
  1. O saber e conhecimento científico seriam multiplicados: Dn 12.4

  1. Fenômenos no céus (UFOS?): Lc 21.11

  1. Guerras e rumores de guerra: Mt 24.6, Lc 21.9-10

  1. Terremotos, calamidades, fomes: Mt 24.7, Lc 21.11

  1. A pregação do evangelho a todo o mundo: Mt 24.14, Mc 13.10

  1. O aparecimento do Anticristo: 2 Ts 2.1-5, Ap 13.1-8
Uma leitura cuidadosa dos jornais dos últimos anos, nos indicam que somente o último sinal (o Anticristo) ainda não ocorreu. Em conclusão: podemos afirmar, com base nas informações bíblicas e nos fatos atuais, que o Senhor está muito perto de vir! Um indício veemente que o Anticristo se prepara para estabelecer seu império, está na movimentação da "Nova Era", o movimento mundial que já proclama a vinda do "maytrea", aquele que fará a paz mundial e estabelecerá um reino humano, em contraste com o "Reino de Deus"!Importante: quando o Anticristo vir, haverá confusão entre o Cristo legítimo e o Anticristo (vide Mt 24.23-27). Como saberemos então distinguir o verdadeiro Cristo?
  1. Pelo resplendor: Mt 24.27, Ap 1.14

  1. Pela verdade e justiça: Is 42.3-4

  1. Pela glória e poder: Dn 2.44, Ap 1.16-18

  1. Cristo somente virá após o Anticristo (logicamente, o que aparecer primeiro será o Anticristo!): 2 Ts 2.1-5
O Senhor Jesus não nos autorizou a marcar datas para Sua Vinda, mas ensinou-nos sobre os fatos repentinos que ocorrerão, e a necessidade de vigilância:
  • Na parábola das dez virgens (Mt 25.1-13), 5 imprudentes se cansaram de esperar, enquanto as 5 prudentes estavam com óleo (símbolo do Espírito Santo). Repentinamente, o noivo chega, e as bodas só serão feitas com aquelas que tinham o óleo. Esta parábola sobre a necessidade de vigilância, para a Vinda do Senhor não nos pegar desprevenidos.

  • O servo vigilante (Lc 12.35-48), trata daquele que se "acomoda" ao mundo e á situação rotineira. O cristão não pode perder de vista a perspectiva profética (ou seja, os eventos futuros), sob pena de "descansar e dormir", antes da vinda do Senhor. Novamente, a data ou a hora não importam, mas nossa condição espiritual !

  • Em outros ensinos, o Senhor exortou-nos repetidamente sobre a necessidade de vigiar e orar, para não sermos envolvidos com a apostasia (significa "desvio da verdade") ou sono espiritual ("desleixo ou preguiça"): Mc 13.33-37, Ap 16.15.
2ºPainel : Como Será a Volta do Senhor ?A Volta do Senhor ("segunda vinda" ou simplesmente "Vinda"), apesar de repentina, será um período de acontecimentos históricos de, mínimo, 1.007 anos. Os principais eventos, numa possível sequência cronológica, serão (acompanhe o mapa "Panorama Profético"):
  1. O início da "grande tribulação": Dn 12.1

Este período, de duração total de 7 anos, será estudado e analisado com maior profundidade no 3o painel, especificamente.
  1. Primeira ressurreição: a dos crentes e arrebatamento da Igreja Mt 24.40-41, 1 Ts 4.16-17:
  1. Repentinamente, Cristo nos chamará aos céus! Milhões de pessoas fiéis, em todo o mundo, desaparecerão, indo de encontro ao Senhor, nas nuvens! As sepulturas dos crentes serão escancaradas, todas de uma só vez, e os corpos, ressuscitados e glorificados, subirão junto conosco! Será um evento formidável, instantâneo, e chocará o mundo.

  1. "Tribunal de Cristo" e as "Bodas do Cordeiro" Rm 14.10, 2 Co 5.10, Ap 19.7:

Estes acontecimentos ocorrerão no céu, simultaneamente aos acontecimentos na terra. Todos nossos atos serão julgados, e receberemos "galardões", segundo nossa fidelidade á Cristo. Após este julgamento, se iniciará as "Bodas", isto é, a grande comemoração de nossa união (a Igreja, noiva) com Cristo (o noivo). Será uma festa e tanto, que não se pode comparar a nenhuma "festa" da terra, por mais bem feita que seja!
  1. A Volta de Cristo á terra, junto com seus santos (nós!):

Quando todas as nações estiverem sitiando Jerusalém, ao fim dos 7 anos de tribulação (Ez 38.14-18), então Cristo virá, em pessoa, visivelmente, conosco! Zc 14.5. Salvará (literalmente) os judeus do extermínio definitivo. Seus pés pisarão o monte das oliveiras, que será rachado em dois! (Zc 14.4). Todos o verão, e, com poder extraordinário, acabará com as tropas leais ao Anticristo que cercam Jerusalém (Ez 38.19-39.7). Os judeus se converterão a Cristo, e começará uma restauração completa da terra, sacudida pelas catástrofes dos 7 anos anteriores! O próprio Anticristo será morto, pelo sopro da boca de Cristo! 2 Ts 2.8, Is 11.4.
  1. Prisão de Satanás:

Imediatamente após a derrota das legiões do Anticristo, e a morte daquele, Satanás será preso. Alguns pensarão: porque não eliminá-lo imediatamente? Outros, ainda, talvez pensem que se deva dar um "perdão" ao causador de tanto dano! Sua prisão, como a história confirmará, será um fato para mostrar a todos que Satanás é "irrecuperável". Apesar de ficar preso por 1.000 anos, nenhum sentimento de arrependimento ou submissão lhe ocorrerá! "Depois disto é necessário que ele seja solto pouco de tempo" (Ap 20.3). Os homens terão a prova que já conhecemos: qualquer liberdade para Satã, corresponde á rebelião contra Deus e corrupção contra os homens.
  1. Governo de Cristo por 1.000 anos ("MILÊNIO"):
Neste período, se cumprirão todas as profecias de bonança e prosperidade para Israel. Cristo governará pessoalmente a terra (Ez 34.11-31), e nós seremos governadores de cidades (1 Co 6.2, Ap 20.6). Algumas profecias a serem cumpridas neste período:
  • Haverá paz, segurança, alegria e prosperidade (Is 32.15-18, 35); justiça e libertação do povo (Is 29.17-24)

  • Jerusalém será a capital (Jr 3.17-19). Haverá julgamento sobre as nações (Jl 3)

  • Nações pagãs, como Egito, Assíria e Etiópia, se converterão ao Senhor (Is 18.7, 19.18-25)

  • Todo joelho (fisicamente) se dobrará ao Senhor (Is 45.22-23), e saberão que o Senhor é Deus (Is 49.26)

  • Israel se reavivará e será uma nação unida (Ez 37), possuída pelo Espírito (Is 4.2-6)

  • As pessoas terão vidas longas e prósperas (Is 65.17-25)

  • Haverá festividades contínuas em Jerusalém (Mq 4.1-5)

  • Os animais serão mansos: Is 11.6-8
  1. Libertação de Satanás e última rebelião Ap 20.7-9:

Deus, conhecedor da incredulidade humana e sua obstinação, permite que Satanás seja solto. Invariavelmente, ele passa a seduzir as nações, para uma nova, e última rebelião contra o Reino de Deus.Seduzidos por falsas promessas, as nações seguirão Satanás para sitiarem Jerusalém. Apesar do governo de Cristo ter sido absolutamente justo e perfeito nos 1.000 anos, muitos homens procurarão sua própria glória e poder, precipitando-se numa derrocada final. Podemos pensar: como poderão os homens, neste período, serem tão cegos a ponto de renegarem o governo divino? Infelizmente, o coração humano é corrupto, e desesperadamente enganoso (Jr 17.9). Aqueles que não se deixam serem limpos e lavados pelo sangue do Cordeiro, não podem salvar-se, mesmo que tentem, porque falta ao homem tal capacidade. Uma pessoa que rejeita a ação do Espírito de Deus em sua vida, está cometendo um crime contra si mesmo, contra sua natureza, pois o homem foi criado para ter comunhão com seu Criador! Esta última rebelião, agora do homem unido com o próprio Satanás, será a prova final de que é impossível a união da luz com as trevas! (2 Co 6.14,15). Durante 1.000 anos, os governos e os homens tiveram oportunidade de ver a Cristo e Suas obras - porém teimam em se rebelar! Será um pecado coletivo terrível, induzido pelo sedutor das nações - Satanás. A história dos 7 anos sob o governo do Anticristo não serão suficientes para convencer aos homens da inutilidade de buscar a rebelião contra o Criador! Evidentemente, nem todos os homens do mundo, neste final do período, se rebelarão. Haverá aqueles, e serão muitos, que estarão conosco nesta última batalha. O fogo do céu (a própria ira de Deus!), queima as legiões rebeladas, e Satanás é definitivamente lançado no "lago de fogo", onde ficará por toda a eternidade!
  1. Segunda ressurreição (a dos ímpios) Ap 20.5,13:

Todos os incrédulos, de todas as eras, serão ressuscitados. Mas, não para salvação ou para a glória, e sim, para julgamento.
  1. Julgamento do "Trono Branco" Ap 20.11,12:

Os ímpios ressurretos terão que ver, face a face, a quem rejeitaram. Suas más obras serão julgadas, para que ninguém tenha dúvida da justiça divina. O Deus de amor se revela aqui como o Deus da justiça e da ordem. Não haverá mais lugar para arrependimento, pois este tempo será o tempo do juízo final de Deus. Isto nos leva a refletir sobre a seriedade de nosso testemunho e da Palavra de Deus. Que ninguém se engane, pois de Deus não se zomba! Gl 6.7
  1. Lançamento definitivo de Satanás, suas hostes e os ímpios, no "lago de fogo", onde ficarão por toda a eternidade Ap 20.10,14-15:

Faz-se uma completa separação entre a luz e as trevas. Satanás, suas hostes demoníacas e os homens ímpios, serão definitivamente separados da presença de Deus. Será eliminado, assim, toda a fonte de tentação e rebelião do homem. Aqueles que insistiram tanto tempo, apesar das muitas misericórdias de Deus, em rejeitar o perdão divino, terão seu fim onde quiseram ficar: longe de Deus, e na companhia do pior dos seres: Satanás.
  1. Plenitude do Reino de Deus, pelos "séculos dos séculos":
Este período, que se estenderá por toda a eternidade, é aquele em que existirão "novo céu e nova terra" (Ap 21.1), cuja capital é a "Nova Jerusalém (Ap 21.2, 9-27). Não haverá mais noite, nem luz do sol, porque o Senhor brilhará sobre todos! (Ap 22.5). Contemplaremos a face do Mestre, e não haverá mais morte, dor, doença ou qualquer maldição! (Ap 21.4, 22.3-4).3ºPainel : A Grande TribulaçãoA grande tribulação é um período de 7 anos, divididos em dois períodos:
  1. os primeiros 3 anos e meio, onde haverá aliança entre o Anticristo e o povo de Israel, e uma certa "estabilidade" mundial;

  1. os últimos 3 anos e meio, período de grandes eventos históricos, iniciando-se com o rompimento da aliança Anticristo-Israel e culminando com a vinda visível do Senhor Jesus.
Porquê estudar este período futuro?
  • Ao pregarmos o evangelho, devemos alertar também sobre os perigos que a humanidade estará sujeita. Para isso, devemos conhecer o que está predito nas Escrituras.

  • Entendendo que a ira de Deus se fará presente contra os homens, neste período, tomaremos todas as precauções espirituais possíveis para fazermos parte da igreja arrebatada, ou seja, daqueles que não passarão pela referida tribulação.

  • Entenderemos também que "de Deus não se zomba", pois "tudo que o homem plantar, isto ceifará". Nenhum ato humano passa despercebido pelo Criador, e a entronização do Anticristo como dominador político e religioso deste mundo terá consequências terríveis!

  • Finalmente, nos regozijaremos mais ainda no Senhor, pois Ele nos livrará deste período turbulento, pois seremos arrebatados antes de provarmos o que a humanidade merece!
A grande tribulação é tema de Ap 6 a 19, embora também seja tratada em outras partes da Bíblia, como Dn 12, Jr 30.4-9, Mt 24, entre outras passagens. Simultaneamente á tribulação, no céu, estaremos nós, onde ocorrerá o "Tribunal de Cristo" e as "Bodas do Cordeiro". Observe que o relato de Ap 6-19 trata de mostrar paisagens do céu e da terra, pois são eventos simultâneos (compare, por exemplo, Ap 11.3-13 com 11.15-18).A Igreja do Senhor passará pela grande tribulação?Não. O arrebatamento dos salvos os livrará de passarem este período na terra. Entretanto, a igreja nominal ("Laodicéia"), ficará retida, como na parábola das dez virgens, as quais 5 eram imprudentes e perderam a vinda do noivo, ficando "de fora". O ensino de Jesus em Lc 21.25-36 deixa bem claro que a Igreja escapará do castigo que o mundo sofrerá. A "redenção" no v.28 refere-se á redenção do corpo, mencionada em Rm 8.22-23, que é a trasladação do crente no momento do arrebatamento.Isto não significa que, antes dos 7 anos, ou mesmo num período inicial, muito curto, os crentes não venham sofrer perseguição e angústia, conforme previsto em Mt 24.9. Entretanto, o período de "grande tribulação" é um período de juízos divinos, muito distinto do atual ou futuro sofrimento do povo de Deus, perseguido e discriminado pelo mundo. No presente momento, nosso sofrimento é por causa da ira do mundo, mas na grande tribulação, o sofrimento terá origem na ira de Deus.Alguma confusão sobre a tribulação pode ser causada por textos como Ap 6.11. Entretanto, é necessário esclarecer que, após o arrebatamento da Igreja, só restará um povo, o judeu, para testemunho ás nações. Muitos judeus se converterão, e sofrerão por isso. Portanto, referidos textos se aplicam, exclusivamente, ao povo judeu convertido na época da tribulação, bem como aos gentios arrependidos naquele período.OS PRINCIPAIS ACONTECIMENTOS NA GRANDE TRIBULAÇÃO
  1. Aparecimento do Anticristo: 2 Ts 2.1-10

Dado a confusão cada vez maior no mundo, aparecerá um homem, líder político, que operará com grandes "prodígios e sinais" para comprovar seu poder. As nações, no seu desespero, darão suas forças e apoio a este super-homem. Haverá tentativas de se formar uma só religião. Este homem, chamado "maytrea" pela Nova Era, é o Anticristo bíblico! Logo ele se exaltará, e se proclamará "divino". Aqueles que questionarem sua autoridade absoluta, como os judeus convertidos, serão mortos: Ap 6.9-11.Este proferirá blasfêmias e se exaltará num regime autocrático. Não respeitará as leis, nem as religiões (Dn 12.37). Por meio de suas conquistas militares ele terá domínio sobre o Oriente Médio e se colocará como rei em Jersulalém (Dn 11.40-45).
  1. Aliança entre o Anticristo e Israel (3 anos e meio) Dn 9.27:

Logo no início do seu governo, o Anticristo procurará uma aliança política e religiosa com Israel. Os próprios judeus, inicialmente, crerão que o "maytrea" é o Cristo tão esperado! Haverá vantagens especiais para os judeus, nos primeiros 3 anos e meio da aliança Israel-Anticristo: isto será proposital, para despertar o "ciúme" dos demais povos e nações. Na sua cegueira espiritual, Israel celebrará uma união com o próprio inimigo! Jerusalém, a capital religiosa do império Anticristo, será remodelada, e o templo de Salomão será restaurado, bem como as ofertas e sacrifícios. Mas o ódio entre os mulçumanos e judeus crescerá a um tal ponto que o Anticristo se aproveitará, para tentar completar seu plano de exterminar, totalmente, o povo judeu da terra. Devemos nos lembrar que Deus ainda tem muitos planos para os judeus, Ele não abandonou este povo, O ama e permitirá tudo isto para que se cumpra para que, finalmente, o povo judeu creia no Cristo Verdadeiro!
  1. Rompimento da aliança Dn 9.27:

O Anticristo entrará no templo de Jerusalém e se assentará como "deus", exigindo a adoração de todos! (É a chamada "abominação desoladora" de Dn 11.36-39, 12.11). Nesta hora, os judeus se acordarão de sua cegueira de mais de 2.000 anos, e verão que foram enganados!
  1. Perseguição aos judeus Mt 24.15-22, Ap 12.13-17:

O rompimento súbito do acordo Anticristo-Israel despertará uma onda de ira e vingança aos judeus, em todo o mundo, jamais vista até então. Muitos judeus se converterão, mas serão exterminados, assim que professarem sua fé em Cristo (Ap 17.6, Dn 8.24). Os anais da história nunca registraram uma perseguição tão feroz como a que há de vir sobre os judeus, neste período de 3 anos e meio, subsequentes ao rompimento do acordo! (Dn 9.27).
  1. Flagelos sobre a humanidade Ap 6-16:

A ira de Deus será derramada na forma de juízos: guerras, mortes, fome, inflação, pragas, terremotos, poluição, queimadas de florestas, escuridão, doenças, destruição da vida marinha, calor, chuvas de meteoros, etc. Estes flagelos são descritos como "selos", "trombetas" e "flagelos" em Ap.
  1. Armagedom Ap 16.13-16:
Os homens se unirão com o Anticristo para guerrearem contra Israel, sitiando Jerusalém (Zc 14.1-3), atribuindo seus flagelos á existência do povo judeu. Nesta hora, no 7o. ano da grande tribulação, o Senhor Jesus retornará, visivelmente, diretamente no monte das Oliveiras (Zc 14.4), para salvar o povo judeu do extermínio. Será o último momento histórico da grande tribulação, e o início do Reino Milenar de Cristo: a derrota das legiões do Anticristo , o livramento do povo judeu e a morte do próprio Anticristo, mediante o sopro da boca do Senhor Jesus! (2 Ts 2.8).








Sem autor,eu tirei este estudo deste site:http://www.oapocalipse.com/home/estudos/nova_era_fim_dos_tempos.htm

Adoração: maior estratégia para a guerra espiritual - Parte 1

"E clamavam uns para os outros, dizendo: Santo, santo, santo é o Senhor dos exércitos; a terra toda está cheia da sua glória. E as bases dos limiares moveram-se à voz do que clamava, e a casa se enchia de fumaça." (Isaías 6:3-4)

A base da verdade e da justiça está no Trono de Deus, que é onde se proclama dia e noite: "Santo, Santo, Santo é o Senhor dos exércitos." (Isaías 6:3). Para proclamarmos a santidade de Deus, devemos reconhecer que há guerra.

Somos a Casa de Deus na Terra e essa casa vive em guerra 24 horas por dia, contanto que a santidade de Deus seja instalada e todos vejam a glória do Senhor estabelecida em nossas vidas. Deus é Santo e é Guerreiro, toda a Terra está cheia da Sua Glória. A revelação de guerra espiritual não fazia parte do nosso currículo, anos atrás. Falar nisso era ministrar doutrina da Nova Era, de demônios. Hoje a revelação salta aos nossos olhos. Essa guerra é necessária para mantermos a nossa santidade e a nossa integridade.

Deus tem uma base do Seu Trono no Céu e fez uma base na Terra. Sabe onde está essa base? Em mim e em você, para proclamarmos continuamente a santidade do Deus Todo Poderoso. A maior arma para a guerra é mantermo-nos em adoração dia e noite. Não existe nenhuma arma poderosa melhor do que a adoração para a guerra espiritual.

Todos nós devemos aprender sobre adoração para vencer as guerras, porque a adoração é um envolvimento direto com o Senhor da guerra e, na base do Seu trono que é justiça e verdade (Salmos 89:14), é proclamada a santidade do Deus que é Senhor da guerra (Isaías 6:3).

A adoração abre o entendimento para o Evangelho

A adoração abre a revelação daquilo que Deus quer fazer em nosso meio. Quando adoramos, a revelação se amplia, a glória de Deus se manifesta, e entramos no Reino da Luz, na revelação da luz de Cristo. No livro de Efésios, está escrito que o Senhor nos chamou, arrancando-nos do império das trevas e nos deu uma graça riquíssima chamada dom gratuito de Deus.

Em II Coríntios 4:4, o texto revela que, debaixo da chamada para este Reino de Luz, Deus nos revelou o Evangelho da doksa (glória) do Senhor Jesus Cristo. Debaixo desta revelação da doksa de Deus, estaremos na completude do Evangelho. Estamos tendo a revelação gradativa do que é a Boa Notícia de Deus.

A adoração arranca as guerras interiores

Quando entrarmos em profunda adoração, entraremos na cláusula da perfeição, onde o próprio Deus diz: "Eu procuro verdadeiros adoradores que me adorem em espírito e em verdade." (João4:23)

E quando Jesus estava falando de adoração, pregava a uma estrangeira, inimiga dos judeus e que estava vivendo ilegalmente com um homem. “Foi, pois, a uma cidade de Samaria, chamada Sicar, junto da herdade que Jacó tinha dado a seu filho José. E estava ali a fonte de Jacó. Jesus, pois, cansado do caminho, assentou-se assim junto da fonte. Era isto quase à hora sexta. Veio uma mulher de Samaria tirar água. Disse-lhe Jesus: Dá-me de beber.

Porque os seus discípulos tinham ido à cidade comprar comida. Disse-lhe, pois, a mulher samaritana: Como, sendo tu judeu, me pedes de beber a mim, que sou mulher samaritana? (porque os judeus não se comunicam com os samaritanos).” (João 4:5-9)

Por 10 vezes, Jesus fala a palavra ‘adoração’ e, dentro dessa chamada de adoração, Ele descobre o que aquela mulher tem dentro de si. Jesus arrancou as guerras interiores dela falando de adoração.

A mulher samaritana foi impactada. As crises da alma foram denunciadas enquanto Jesus falava de adoração. “Nossos pais adoraram neste monte, e vós dizeis que é em Jerusalém o lugar onde se deve adorar. Disse-lhe Jesus: Mulher, crê-me que a hora vem, em que nem neste monte nem em Jerusalém adorareis o Pai. Vós adorais o que não sabeis; nós adoramos o que sabemos porque a salvação vem dos judeus. Mas a hora vem, e agora é, em que os verdadeiros adoradores adorarão o Pai em espírito e em verdade; porque o Pai procura a tais que assim o adorem. Deus é Espírito, e importa que os que o adoram o adorem em espírito e em verdade.” (João 4:20-24)

A Bíblia relata que, em seguida, aquela mulher se tornou uma missionária em potencial, com Jesus ministrando ao coração dela sobre adoração. “E muitos dos samaritanos daquela cidade creram nele, pela palavra da mulher, que testificou: Disse-me tudo quanto tenho feito. Indo, pois, ter com ele os samaritanos, rogaram-lhe que ficasse com eles; e ficou ali dois dias. E muitos mais creram nele, por causa da sua palavra. E diziam à mulher: Já não é pelo teu dito que nós cremos; porque nós mesmos o temos ouvido, e sabemos que este é verdadeiramente o Cristo, o Salvador do mundo.” (João 4)

A adoração revela a verdade

Em Isaías 6:3, os Serafins proclamam que o Senhor dos Exércitos é Santo, Santo, Santo. E, adiante de Deus, vai a verdade (Salmos 89:14). Mas, para se manter a verdade no Trono, há guerra.

Observemos nossos filhos, tão pequeninos, já herdam a natureza adâmica, mentindo e levando até os pais a mentirem. Para alguém falar a verdade, passa por uma guerra. É assim na Igreja, no discipulado. Quando estamos ajudando os discípulos, depois de muito tempo, eles abrem o coração para nós, mas, por um bom tempo, muitos ocultam algo, guardando no coração. Quando chega a verdade absoluta, essa pessoa fica desnuda diante da verdade. Mas, para isso ser confessado, há uma guerra violenta.

A base do Trono de Deus é justiça

Para a justiça ser exercida hoje, faz-se guerra. Muitos que trabalham com a advocacia, várias vezes atuam debaixo de um complô e de uma cumplicidade para tornar a verdade em mentira e a mentira em verdade e convencer que o que é certo é errado, e o que é errado é certo, devido a interesses pessoais e não a interesse em estabelecer a verdade. Isso é desvio da ética, da moral, da sensatez e da verdade.

Para nos mantermos em integridade no Reino, há uma guerra diária, e essa guerra não é feita por mim nem por você. Ela é feita por Jeová Tsavaot, o Senhor dos Exércitos, que vai à frente do Seu povo dando capacitação para vencer todas as batalhas.

Mansidão, uma virtude do Espírito


A Bíblia contém muitas promessas para os mansos. Neste capítulo, citaremos algumas delas, como:
. Os mansos herdarão a terra (Mateus 5:5).
. Mansidão é condição para ter paz de espírito. Muitas pessoas reclamam não ter paz, mas um dos pré-requisitos para ter paz é buscar um caráter de mansidão (Salmo 37:11).
. Quem tem mansidão tem o Fruto do Espírito. Alguém que alcança a mansidão é porque tem o Fruto do Espírito em sua vida (Gálatas 5:22).
. Através da mansidão, conseguimos suportar-nos em amor, e guardamos a unidade do Espírito no Corpo (Efésios 4:1,2).
. Uma pessoa mansa recebe a palavra com muito mais qualidade do que alguém enraivecido. Ela vive mergulhada na Palavra de Deus (Tiago 1:21).
Talvez um dos textos bíblicos mais conhecidos por falar em mansidão é o Sermão da Montanha (Mateus 5). Jesus atraiu multidões e ali trouxe muitos ensinamentos sobre o povo, dentre eles, ensinou sobre mansidão. Jesus Se comunicava com as pessoas com amor e mansidão. Ele sabia como passar a Boa Notícia do Reino de Deus.
A palavra mansidão transmite o sentido de brandura, ternura. Uma pessoa mansa transmite paz e segurança, porque venceu a agitação do dia a dia, é uma pessoa que venceu a ira.
Quando Jesus ensinou o povo sobre mansidão, referindo-se que os mansos herdarão a terra, em Mateus 5:5, é porque para eles, desde o Antigo Testamento, terra simbolizava mais que um mero terreno, representava a bênção e a presença de Deus. Uma das causas de Moisés não ter herdado a terra, entrado na terra prometida, apesar de ser considerado pela Bíblia o homem mais manso, foi ter se irado diante das águas de Meribá.
Ser uma pessoa mansa vai além de ter apenas uma qualidade natural. Isso é tão verdade que mansidão está incluída no Fruto do Espírito Santo. Se você almeja ser manso, deve entender que mansidão precisa de um cultivo espiritual, que sempre leva à harmonia e não à discórdia.
A palavra ‘bem-aventurado’ reproduz os oráculos proféticos da salvação, usados pelos profetas do Antigo Testamento e por Jesus, em Mateus 5:3-11. As bem-aventuranças são exemplos de viver em busca de perfeição, expressam a qualidade de vida que Deus deixou para nós desde o princípio, uma vida de bênçãos.
O que não é mansidão
Morosidade
Mansidão não está ligada a ser moroso, não ter iniciativa, aceitar tudo do jeito que está para não se irar. Não é isso. Uma pessoa mansa vive muito mais do que uma pessoa iracunda, agitada, amargurada, porque administra melhor situações difíceis. Portanto, quando você pensar em alguém manso, lance fora da sua mente pensamentos como alguém inerte, sem vida, passivo, que não tem direção, que não está apto para reivindicar os seus direitos. Mansidão não está ligada a nada disso.
Timidez
Não podemos crer que uma pessoa mansa é o mesmo que uma pessoa tímida, porque os tímidos não conquistam, pelo contrário, são os primeiros na fila dos que vão para o inferno.
Frieza
Uma pessoa mansa não é alguém frio e calculista, mas é aquela que, mesmo calada, analisa o que está acontecendo de errado ao seu redor e consegue reverter o quadro, porque não age na impulsividade das emoções. Sabe tomar decisões precisas.
Tolice
Quem é manso possui o espírito de sabedoria. Portanto, uma pessoa mansa não é o mesmo que alguém tolo. Não confunda as coisas. A mansidão é resultante da verdadeira humildade. Como já citamos, a mansidão de Gálatas 5:22 é contextualizada dentro do Fruto do Espírito, é considerada uma virtude, uma das grandes qualidades espirituais.
A mansidão também pode estar associada à humildade, registrada em Filipenses 2:1-11. Porque todo manso é obediente, humilde, ou seja, tem as qualidades mais marcantes do ministério de Jesus.
Jesus é nosso Maior Exemplo de mansidão. E Ele nos concederá esta graça. Seremos pessoas mansas para agradar ao Pai e colher êxito em todas as áreas da nossa vida.
Jesus, maior exemplo de mansidão
Jesus convidou a todos para virem a Ele, pois Ele é manso e humilde de coração. “Vinde a mim, todos os que estais cansados e oprimidos, e eu vos aliviarei. Tomai sobre vós o meu jugo, e aprendei de mim, que sou manso e humilde de coração; e encontrareis descanso para as vossas almas.” (Mateus 11:28,29).
O mais tremendo do convite de Jesus foi que Ele não convidou os fortes, porém os cansados e oprimidos. Por Jesus ser manso e humilde, pode assegurar o descanso para a nossa alma.
Aprenda a descansar em Deus. Para quê tanta agitação e inquietude que não a levam a nada? Busque a mansidão. Entregue-se a Ele completamente se você está cansado e sobrecarregado. É Ele quem vai aliviá-lo. Só Ele tem este poder e esta autoridade.
Veja que promessa maravilhosa que alcança os que decidem pela mansidão. A Bíblia diz que o Senhor ouve os desejos dos mansos e Ele mesmo dá conforto ao coração. “Senhor, tu ouviste os desejos dos mansos; confortarás os seus corações; os teus ouvidos estarão abertos para eles;” (Salmo 10:17)
Para alcançar a mansidão, é necessário despojar-se de:
Impureza e acúmulo de maldade
Não esqueça que a mansidão é uma virtude que somente o Espírito pode produzir em você, então, submeta-se a Ele. Isso implica em mudança de vida, de atitude. Leia o texto de Tiago 1:21.
Ira
A ira nos leva ao pecado quando não temos mansidão. Não trilhe o caminho da ira, pois ele é sempre muito prejudicial (Efésios 4:26).
Maledicência
Muitos são os textos que falam sobre maledicência. Precisamos vigiar nessa área (Colossenses 3:8,10).
Palavras torpes
Uma pessoa mansa não tem palavras torpes na sua boca, antes busca uma linguagem sã e irrepreensível, como a descrita em Tito 2:8.
Precisamos lutar contra tudo o que for contrastante com a mansidão como os exemplos citados e tantos outros que não comentamos, como orgulho, soberba, arrogância, características negativas que nos afastam de Deus e das pessoas, impedindo-nos de cumprir o nosso chamado.
Na linguagem de Jesus, quando falamos em mansidão, estamos mencionando alguém tratado, curado, limpo, santo – um líder que já caminhou muitas milhas. A mansidão foi deixada por Cristo como um modelo redentor de Sua obra, como o fundamento de tolerância, perdão e amor cristão. E essa virtude, como tantas outras, devem ser bem cultivadas.
Busquemos, cada vez mais, ser pessoas mansas, porque mansidão está ligada a sabedoria e tratamento, a ser domado e educado. Tudo isso significa ter habilidade, da parte de Deus, de saber conviver junto, em comunidade, ser sociável, com bom relacionamento, ter condições de conviver sem conflitos.
Isso é possível para nós! E nossa forma de viver atrairá uma multidão de filhos e filhas legítimos para Deus.

Pentecostes: A língua do Céu na Terra


“Depois celebrarás a festa das semanas ao Senhor teu Deus; o que deres será oferta voluntária da tua mão, segundo o Senhor teu Deus te houver abençoado.
E te alegrarás perante o Senhor teu Deus, tu, e teu filho, e tua filha, e o teu servo, e a tua serva, e o levita que está dentro das tuas portas, e o estrangeiro, e o órfão, e a viúva, que estão no meio de ti, no lugar que o Senhor teu Deus escolher para ali fazer habitar o seu nome.” (Deuteronômio 16:10,11)
A Festa de Pentecostes é uma das Festas Bíblicas anuais que deve ser comemorada pelos filhos de Deus, como está escrito em vários textos do Pentateuco, os cinco primeiros livros. É festa de celebração, dança, alegria, colheita. Porém, há uma peculiaridade a mais: é a sinalização para o Reino do Messias onde se inaugura na Terra a língua do Céu.
Pentecostes, a língua do Céu
“E, cumprindo-se o dia de Pentecostes, estavam todos concordemente no mesmo lugar; e de repente veio do céu um som, como de um vento veemente e impetuoso, e encheu toda a casa em que estavam assentados. E foram vistas por eles línguas repartidas, como que de fogo, as quais pousaram sobre cada um deles. E todos foram cheios do Espírito Santo, e começaram a falar noutras línguas, conforme o Espírito Santo lhes concedia que falassem.” (Atos 2:1-4)
Em Pentecostes, os discípulos foram envolvidos, pela primeira vez, no poder do Espírito Santo e passaram a falar em outras línguas (Atos 2:1-4), foi como se o povo de Deus passasse, a partir desse momento, a ter uma mesma linguagem, afinal, a linguagem revela o contexto que fazemos parte.
No dia de Pentecostes, cumpriu-se o que foi profetizado em Joel 2:28,29 “Acontecerá depois que derramarei o meu Espírito sobre toda a carne; vossos filhos e vossas filhas profetizarão, os vossos anciãos terão sonhos, os vossos mancebos terão visões; e também sobre os servos e sobre as servas naqueles dias derramarei o meu Espírito.”
Pentecostes fala da descida e da legalidade do Espírito Santo na Terra. Antes de Jesus vir à Terra, morrer, ressuscitar e ascender aos Céus, o Espírito Santo não estava na Terra. O Espírito era derramado sobre profetas, sobre sacerdotes e sobre reis; eles recebiam a unção específica para o ofício que executariam.
Pentecostes, poder do Espírito
Hoje celebrar a Festa de Pentecostes é ter a convicção de que:
“O Espírito do Senhor está sobre mim.” (Isaías 61:1). Jesus, ao começar o Seu ministério, foi revestido pelo Espírito Santo. Ele testificou isso ao ler um trecho da profecia de Isaías. Jesus nos instruiu dizendo que não poderíamos fazer a Sua obra sem termos o Espírito em nossas vidas.
“E recebereis o poder do Espírito e ser-me-eis testemunhas.” (Atos 1:8). O Espírito Santo vem sobre nós para sermos testemunhas do poder de Deus.
A Festa de Pentecostes fala da Igreja impetrando a linguagem do Reino de Deus, a linguagem celestial, a linguagem de glória, que uma vez foi estabelecida do céu para a Terra: palavras de ânimo, de edificação, saudação santa.
Pentecostes é a chuva do trigo, e trigo fala de prosperidade, do alimento que não falta, da primícia consagrada a Deus. Jesus é a semente de trigo que morreu para dar muito fruto; Ele é o pão vivo que desceu do céu. É em Pentecostes que as primícias, os primeiros frutos são entregues na convicção que virá uma colheita tremenda no próximo ano. É a Festa da fartura que todos devem celebrar.
Pentecostes é a descida do Espírito Santo para capacitar a Igreja do Senhor para uma nova fase, convencendo-a do pecado, da justiça e do juízo, pois Ele é a pessoa que nos faz lembrar tudo que Jesus falou. “Mas, quando vier o Consolador, que eu da parte do Pai vos hei de enviar, aquele Espírito de verdade, que procede do Pai, ele testificará de mim.” (João 15:26)
Jesus ascendeu aos céus, mas derramou sobre toda a Terra o Espírito Santo. O Espírito está neste mesmo instante em todos os lugares e está na Igreja para consolar, confortar, instruir, conduzir e operar em nós uma obra de poder, de alegria, de dádiva, de graça.
Pentecostes, multiplicação de vidas
“E, ouvindo eles isto, compungiram-se em seu coração, e perguntaram a Pedro e aos demais apóstolos: Que faremos, homens irmãos? E disse-lhes Pedro: Arrependei-vos, e cada um de vós seja batizado em nome de Jesus Cristo, para perdão dos pecados; e recebereis o dom do Espírito Santo; porque a promessa vos diz respeito a vós, a vossos filhos, e a todos os que estão longe, a tantos quantos Deus nosso Senhor chamar. E com muitas outras palavras isto testificava, e os exortava, dizendo: Salvai-vos desta geração perversa. De sorte que foram batizados os que de bom grado receberam a sua palavra; e naquele dia agregaram-se quase três mil almas, e perseveravam na doutrina dos apóstolos, e na comunhão, e no partir do pão, e nas orações. E em toda a alma havia temor, e muitas maravilhas e sinais se faziam pelos apóstolos.” (Atos 2:37-43)
Pentecostes é a explosão missionária para salvação, ou seja, a multiplicação de vidas. Quando o Espírito Santo desceu sobre a Igreja Primitiva, na primeira ministração converteram-se três mil pessoas.
Pentecostes traz o tempo da salvação; a autoridade e o poder de Deus se manifestam. Em Pentecostes, vemos sinais, milagres, prodígios e maravilhas. “Varões israelitas, escutai estas palavras: A Jesus, o nazareno, varão aprovado por Deus entre vós com milagres, prodígios e sinais, que Deus por ele fez no meio de vós, como vós mesmos bem sabeis.” (Atos 2:22). A unção de milagres virá sobre nossas vidas, pois estamos em Pentecostes. Seremos envolvidos pelo poder do Espírito e seremos transformados.

Prosperidade em todas as áreas - Parte 1


“Amado, acima de tudo, faço votos por tua prosperidade e saúde, assim como é próspera a tua alma.” (III João 2)
Você, como filho de Deus, com certeza, almeja prosperidade. E dentro desse desejo, que precisa estar de acordo com a Bíblia, você encontrará desafios, inimigos se levantarão contra você e contra a sua prosperidade. Você ficará se perguntando: Por que o inimigo tem inveja de mim? Não busque respostas, apenas receba o que o Senhor tem para entregar sobre sua vida.
O que você precisa é entender que dentre tantos benefícios que o Pai lhe oferece, você nasceu para prosperar. Mas, qual é o nível de prosperidade que você espera receber na sua vida?
Neste estudo, vamos abordar sobre prosperidade psicológica, emocional, afetiva, física, financeira e espiritual.
Todo mundo quer ser próspero hoje em dia. Prosperidade virou sinônimo de aquisição de dinheiro. As pessoas pensam que são prósperas, à medida que adquirem dinheiro. Isso, em parte, é verdade. Mas é necessário compreender que a verdadeira prosperidade não consiste em agregação de bens. Prosperidade é mudança de sorte em áreas distintas, como descreve o Apóstolo João em sua terceira carta. “Amado, acima de tudo, faço votos por tua prosperidade e saúde, assim como é próspera a tua alma.” (III João 2)
Há pessoas que são prósperas em finanças, mas não são prósperas no caráter. Há pessoas que são prósperas no caráter, mas não são prósperas nas finanças. Há ainda as que são prósperas no casamento, mas não adquiriram prosperidade nas finanças...
Prosperidade verdadeira consiste em prosperar de acordo com a alma, em áreas distintas. Logo, o que precisamos fazer é harmonizar o campo da nossa prosperidade.
O que é que eu quero e o que entendo sobre prosperidade
Prosperidade, para mim, Apóstolo Renê Terra Nova, é Deus mudar a minha sorte de forma específica. Uma área que estava debilitada, na qual houve uma visitação de ação estranha, maligna, como encontramos em Joel 1:4, mostrando quatro tipos de gafanhotos: o devorador, o destruidor, a praga e o pulgão. “O que deixou o gafanhoto cortador, comeu-o o gafanhoto migrador; o que deixou o migrador, comeu-o o gafanhoto devorador; o que deixou o devorador, comeu-o o gafanhoto destruidor.”
No versículo 5, do mesmo texto, mostra que as pessoas perdem o direito de adquirir prosperidade por causa do espírito de embriaguez. “Ébrios, despertai-vos e chorai; uivai todos os que bebeis vinho, por causa do mosto, porque está ele tirado da vossa boca.” (Joel 1:5)
A embriaguez desse texto não está se referindo à quantidade de vinho que alguém ingeriu ou se tomou alguma bebida alcoólica, ou bebida forte; está se referindo a uma ação. O indivíduo perdeu o sentido da vida, já não conhece mais as nuances do seu território, pois deixou brechas abertas para uma visitação estranha chegar e tirar todas as probabilidades de prosperar e ter a sorte mudada.
Neste capítulo, Deus chama a atenção sacerdotal. Você que é sacerdote, fique atento. A ação é para o sacerdote. O sacerdote é quem precisa estar com a sua atenção dobrada. Só quem pode vencer o gafanhoto migrador, devorador, destruidor, a praga, o pulgão e o espírito da embriaguez é uma tomada espiritual.
Você pode vencer através de oração e jejum. Deus faz uma convocação santa. Essa convocação santa é para que as coisas consagradas ao Senhor não venham ruir. Não podemos pensar que o inimigo não pode entrar na embriaguez e mudar a nossa história, alterar a nossa sorte. Da maneira que nós facilitamos caminhos para que Deus corra neles, também podemos, se não estivermos atentos, abrir brechas para que o diabo ganhe vantagens.
Não se engane, não se iluda: o diabo pode entrar e destruir a probabilidade, a possibilidade de você se tornar uma das pessoas mais prósperas, de forma extremamente correta.
Prosperidade é ter caminhos certos
Prosperidade bíblica, prosperidade por princípios corre em caminhos corretos. E quem não estiver em caminhos corretos será abalado. Leia o que diz o Salmo 30:6-8.“Quanto a mim, dizia eu na minha prosperidade: jamais serei abalado. Tu, Senhor, por teu favor, fizeste permanecer forte a minha montanha; apenas voltaste o teu rosto, fiquei logo conturbado. Por ti, Senhor, clamei, ao Senhor implorei.”
Se Deus tirar Seu rosto da nossa direção, perdemos tudo, e tudo que galgamos vai embora. Em todas as áreas e todas as possíveis prosperidades que nós já adquirimos, podem ser perdidas, quando não há vigilância, quando não estamos em linha com a Palavra.
Ai daquele a quem o Senhor virar o rosto! Se você já passou pela experiência de alguém virar o rosto, sabe que a experiência não é boa, é desagradável demais, ruim mesmo. Talvez essa seja a palavra que melhor expresse tamanho constrangimento. Agora, se é ruim com uma pessoa, imagine com Deus?
A Bíblia diz que quando o Senhor virou o rosto, o salmista ficou conturbado; houve uma perturbação na sua alma. Isso porque a maioria das pessoas ricas, que possuem posses, pensa que nunca sofrerá um abalo ou mesmo que jamais poderá perder o que adquiriu, mas isso é um ledo engano. Algumas até acham que dinheiro nunca acaba. Esquecem-se de que se o Senhor virar o rosto, ficarão conturbadas.
Jamais subestime o inimigo. O inimigo pode entrar, ganhar vantagem e causar um desconforto na sua aliança. Nunca diga: Nessa minha prosperidade, eu não serei abalado. Lembre-se: Se você é próspero em alguma coisa, é porque o Senhor se tornou a sua montanha, a sua Rocha, a sua fortaleza. É por isso que o Senhor está lhe fazendo prosperar. É o Senhor a base da sua prosperidade.

Prosperidade em todas as áreas - Parte 2


“Amado, acima de tudo, faço votos por tua prosperidade e saúde, assim como é próspera a tua alma.” (III João 2)
Você, como filho de Deus, com certeza, almeja a prosperidade. E dentro desse desejo, que precisa estar de acordo com a Bíblia, você encontrará desafios, e inimigos se levantarão contra você e contra a sua prosperidade. Você ficará se perguntando: Por que o inimigo tem inveja de mim? Não busque respostas, apenas receba o que o Senhor tem para entregar-lhe.
O que você precisa é entender que dentre tantos benefícios que o Pai lhe oferece, você nasceu para prosperar. Mas, qual é o nível de prosperidade que você espera receber na sua vida?
Prosperidade tem base e princípio
Prosperidade tem base e princípio, e um dos princípios é que não podemos ser tolos de abrir a boca com declarações de infortúnio como: “Ah! Ninguém nunca vai mexer comigo”. “Ninguém nunca vai fazer isso comigo”. Não podemos subestimar que somos guardados, protegidos, ajudados e socorridos e que nada nos alcançará. Se temos algum êxito, é porque Yeshua Se tornou a nossa montanha.
Não podemos dizer: “Nisso nunca serei abalado”. No Salmo 30, está escrito que o salmista temeu porque o Senhor virou o rosto. O fato de não mais poder contemplar as bênçãos e a prosperidade de Deus na sua vida fez com que ficasse conturbado.
O que é uma pessoa conturbada?
Uma pessoa conturbada é alguém confusa, em depressão, misturada nos sentimentos. Em se tratando de prosperidade, uma pessoa conturbada é alguém em tristeza profunda de fazer uma avaliação do que tinha e do que não tem mais.
Uma pessoa conturbada é aquela que olha para trás e vê o que possuía e não possui mais, o que adquiriu e perdeu. Porque a prosperidade verdadeira, de acordo com a Bíblia, é conquistada com suor e trabalho. E existe, na prosperidade bíblica, um princípio: o favor de Deus nos faz prosperar.
É como uma mãe que está fazendo um bolo, colocou fermento, mas o bolo não passa daquele tamanho. Mas, na hora da visitação, o bolo está enorme e saboroso; cresceu. Assim é a prosperidade de um homem e de uma mulher santos.
Quando Deus joga o fermento do céu, a pessoa cresce. É como dormir em um nível e acordar em outro nível. Você sabe que enquanto você dorme, Deus está trabalhando a favor da sua prosperidade, e isso em todas as áreas que você precisar? Deus é Fiel!
Prosperidade começa na alma
Você precisa descobrir qual a área ou quais as áreas nas quais têm que prosperar. Deus não faz alma medíocre prosperar. Então, comece pela sua alma, ela tem que ser próspera.
A verdadeira prosperidade, que não pode ser abalada nem conturbada, é fruto de uma alma curada, é resposta de uma alma sarada. Em III João, vemos que o Apóstolo deseja ao presbítero Gaio, que ele vá bem em todas as coisas, na saúde, assim como era próspera a sua alma.
Então, a prosperidade começa na alma. Prosperidade não é um segredo, mas uma atitude de princípio. Você precisa ter uma alma próspera para atrair a verdadeira prosperidade que está reservada aos filhos de Deus.
Sua alma não pode estar fincada, presa, mas plantada na Rocha, confiando nEle e não em si mesmo. Quantas pessoas que hoje vivem abaladas, conturbadas porque confiaram mais na criatura do que no Criador. Essas possuíam muito, mas estão sem nada.
Quantas pessoas você conhece na sociedade que tinham família e hoje não têm... Que tinham uma mente brilhante e hoje não passam de escárnio social. Quantas pessoas que, na sua tolice, disseram bobagem e hoje estão sepultadas, infelizmente.
Quando quebramos o princípio da prosperidade, Deus vira o rosto, e quando Deus vira o rosto, a catástrofe vem. É isso que afirma o Salmo 30:6-8. Todas as vezes que, na Bíblia, aparece a expressão: “E Deus virou o rosto”, em seguida veio uma catástrofe.
Então, se você quer que a sua prosperidade cresça, precisa estar mergulhado no Senhor, vivendo pelos Seus princípios. O fato de você estar mergulhado no Senhor, dEle estar dentro de você, essa cumplicidade de unidade com os seus pés firmados na Rocha, somados com uma alma que não deve ser tola de fazer declarações que contrariem o Altíssimo, o Reino, a Palavra e a promessa, concederão a você vitória e um caminhar na verdadeira prosperidade.
Deus quer que Seus filhos entrem em um nível de prosperidade permanente. Porque prosperidade é para permanecer, mas para isso é necessário não se desviar da rota, antes caminhar na rota, porque assim como alguns podem dormir prósperos e nem acordar, outros que acordam e não têm absolutamente nada, não podemos dizer que não seremos abalados, a menos que estejamos em Deus, vivendo pelos princípios da Sua Palavra.
Muito cuidado. Vigie em suas atitudes, palavras, pensamentos... Você foi chamado para viver a verdadeira prosperidade. Seu alvo é não se desviar nem para a direita nem para a esquerda, mas agarrar-se às promessas do Trono e ser muito abençoado.
 
© Template Scrap Suave|desenho Templates e Acessórios| papeis Bel Vidotti